Ter, 31 de julho de 2018, 17:39

Que ‘bixo’ é esse? História em Quadrinhos traz perfil do estudante de Computação
Pesquisa de iniciação científica envolveu equipe multidisciplinar

Uma pesquisa de iniciação científica do Departamento de Computação (DComp) traçou o perfil dos estudantes do curso de Ciência da Computação e o resultado do estudo foi uma História em Quadrinhos (HQ) com o inusitado título Computeiro da UFS: Que ‘bixo’ é esse?veja a HQ no final desta reportagem.


A HQ "Computeiro da UFS: Que ‘bixo’ é esse?" apresenta um perfil dos estudantes dos cursos de Computação
A HQ "Computeiro da UFS: Que ‘bixo’ é esse?" apresenta um perfil dos estudantes dos cursos de Computação

O trabalho foi desenvolvido através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic), orientado pelo professor do DComp Henrique Nou Schneider. A idéia era delinear um perfil dos estudantes dos cursos de Computação e apresentá-lo de uma forma mais atrativa.

A alternativa da História em Quadrinhos (HQ) veio com a dissertação de Izabel D’Ambrósio, que concluiu o mestrado em Educação. Ela foi orientada pelo professor Schneider, que explica sua prática de envolver mestrandos da graduação e da pós nas pesquisas.

“Eu tenho a política de, a cada dissertação que a gente conclui, procure ver o que ainda pode ser desenvolvido a partir daquele trabalho”, explica Henrique, que é também professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFS (NPGED).


O professor Henrique Nou Schneider procura envolver nas pesquisas os orientandos da graduação e da pós (Fotos: Adilson Andrade - Ascom/UFS)
O professor Henrique Nou Schneider procura envolver nas pesquisas os orientandos da graduação e da pós (Fotos: Adilson Andrade - Ascom/UFS)

Como a dissertação de Izabel D’Ambrósio usou a História em Quadrinhos como instrumento de reforço para a escrita na língua inglesa na escola, a nova mestra co-orientou o trabalho de iniciação científica.

História em Quadrinhos

A pesquisa foi realizada pelo estudante de Design Gráfico Pedro Henrique Oliveira dos Santos. Izabel D’Ambrósio co-orientou juntamente com Lindiney Viana, mestrando em Educação, também orientado pelo professor Henrique, que coordenou a equipe no Pibic.

Foram aplicados questionários aos estudantes dos cursos do DComp: Ciência da Computação, Sistema de Informação e Engenharia de Computação. Do total de 884 alunos, 105 responderam ao questionário – sendo que o tamanho recomendado para a amostra era de 63 respostas.

Depois de tabulados os dados e realizada a análise, foi modelado o perfil dos discentes, que subsidiou a construção do roteiro. A HQ foi elaborada com os softwares HagáQuê, Mangá Studio e Photoshop.

O título da HQ usa os termos computeiro, uma referência anedótica aos estudantes de Computação, e bixo, título dado aos alunos novatos de um curso universitário. A estratégia é gerar identificação e atrair o interesse dos discentes.


Pedro Henrique Oliveira dos Santos: “Quero seguir nessa área de ilustrador, ou design de personagens”
Pedro Henrique Oliveira dos Santos: “Quero seguir nessa área de ilustrador, ou design de personagens”

Pedro Henrique desenhou à mão os personagens, usou o computador apenas como suporte para ilustrar. O processo completo – do roteiro à arte-final – foi um trabalho de equipe. “Izabel orientou no desenvolvimento do roteiro, do argumento, nas falas e no design dos personagens”, diz Pedro.

Lindiney, que é formado em Artes Visuais pela UFS, auxiliou com suas habilidades em desenho e pintura. “Gosto muito de arte digital e também uso alguns softwares, como Photoshop”, conta o mestrando, que também orientou na elaboração do roteiro. “A bagagem de artes visuais me proporcionou também estar junto nesse trabalho, uma vez que eu já fiz disciplinas de história em quadrinhos e já tive contato com essa área antes”, completa.

A pesquisa serviu para Pedro Henrique como experiência, tanto para o futuro profissional, quanto para a vida acadêmica. Ele desenha desde criança, mas foi através do Pibic que passou a levar o passatempo a sério.

“Nessa pesquisa, foi a primeira vez que eu peguei todas as etapas: desde a produção do roteiro até o desenho final”, diz. “Além das coisas relacionadas ao quadrinho, aprendi muitas outras coisas relacionadas à pesquisa científica em si, à forma como ela é feita, à escrita”, avalia o discente.

“Quero seguir nessa área de ilustrador, ou design de personagens”, conclui.


Lindiney Viana, sobre co-orientar um trabalho em HQ: “Foi desafiador, me estimulou também a estar bem mais envolvido com a pesquisa aqui na universidade”
Lindiney Viana, sobre co-orientar um trabalho em HQ: “Foi desafiador, me estimulou também a estar bem mais envolvido com a pesquisa aqui na universidade”

Lindiney também ficou satisfeito com sua participação como co-orientador. “Foi prazeroso nesse sentido, de estar fazendo uma coisa que enche os olhos e me apaixona cada dia mais”, revela o mestrando.

“Foi desafiador, me estimulou também a estar bem mais envolvido com a pesquisa aqui na universidade”, explica. O projeto de Lindiney no mestrado envolve a aplicação de alguns softwares educativos para auxiliar professores no ensino de artes visuais.

Interdisciplinar

Henrique Schneider pretende continuar coordenando pesquisas através da integração entre a graduação e a pós-graduação, estimulando a multidisiplinaridade. Para o professor, essa política é benéfica para todos os envolvidos.

“Além de darmos oportunidade para o aluno de graduação desenvolver seu primeiro projeto de pesquisa, estamos dando também oportunidade para o novo mestre ter sua primeira prática de orientação”, defende o docente.

Para conhecer a HQ desenvolvida pela equipe, clique no link abaixo (o arquivo está no formato pdf).

Marcilio Costa
comunica@ufs.br


Atualizado em: Ter, 31 de julho de 2018, 18:40
Notícias UFS